POÉTICAS DO ENCANTAMENTO: RELAÇÕES LUSO-BRASILEIRAS NA POESIA DE MANOEL DE BARROS
POÉTICAS DO ENCANTAMENTO: RELAÇÕES LUSO-BRASILEIRAS NA POESIA DE MANOEL DE BARROS.
DescriptionUnit
Documento
BR/RGPL/FRGLP.PPRLB.01.012
POÉTICAS DO ENCANTAMENTO: RELAÇÕES LUSO-BRASILEIRAS NA POESIA DE MANOEL DE BARROS
[s.d.]
Artigos\\Artigos do PPRLB
(pt) Português
(en) Inglês
Atas dos Colóquios do PPLB
1809-2748
Atas do 2º Colóquio do PPRLB: Deslocamentos e Permanências
Antonio F. Andrade
Universidade Federal Fluminense
BARROS, Manoel de (1992). Gramática expositiva do chão: poesia quase toda. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
BARROS, Manoel de (1999). Entrevista. Poesia sempre no 11. Rio de Janeiro, Fundação Biblioteca Nacional.
BARROS, Manoel de (2000). O Encantador de palavras. Flamalicão: Quasi.
BARROS, Manoel de (2001). Livro das ignorãças. Rio de Janeiro, Record
CANÇADO, José Maria (1996). A palavra essencial. Folha de S. Paulo, Caderno Mais!, 20 de outubro.
CASTELLO, José (1997). Manoel de Barros faz do absurdo sensatez (entrevista). O Estado de São Paulo, 18 de outubro.
DEBORD, Guy (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro, Contraponto.
FAGÁ, Marcelo (1989). Nasce um poeta, aos 72 anos – Manoel de Barros, matogrossense, fazendeiro, homenageado por Houaiss, saudado por Millôr, até hoje anônimo. Istoé Senhor/1015.
FERNANDES, Millôr (1984). No país dos corredores. Istoé, Rio de Janeiro
FILHO, Antônio Gonçalves (1992). Uma palavra amanhece entre aves (entrevista a Folha de São Paulo). In Manoel de Barros. Gramática expositiva do chão: poesia quase toda. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
LIMA, Carlos Emilio Correa (1988). Escritos para el conocimiento del suelo. El paseante no 11. Madri, Ediciones Siruela.
LOURENÇO, Eduardo (2002). Imagem e miragem da lusofonia. Rio de Janeiro: Cia das Letras.
MARIA, Cleusa (2002). Entrevista/Manoel de Barros - “Gosto da palavra na ponta do lápis”. Jornal do Brasil, 30 de março
MORICONI, Italo (1998). Pós-modernismo e volta do sublime na poesia brasileira. In Celia Pedrosa et alii (org.). Poesia hoje. Niterói, Eduff.
MORICONI, Italo (2001). Os cem melhores poemas brasileiros do século. Rio de Janeiro, Objetiva.
MOURÃO, Gerardo Mello (1998). A literatura implacável. Jornal do Brasil, 28 de fevereiro.
NETO, Gualter Mathias (1987). Caramujo do Pantanal. O Globo, 6 de julho.
TURIBA & BORGES, João (1989). Pedras aprendem silêncio nele (entrevista). Bric-a-Brac, III.
PEDROSA, Celia (2002). Poesia, cânone, valor: figurações da pedra em Carlos Drummond de Andrade e Armando de Freitas Filho. Gragoatá 12, p.83-100, 1. sem.
WALDMANN, Berta (1989). A poesia de Manoel de Barros: uma gramática expositiva do chão. Jornal do Brasil, 27 de maio.
WALDMANN, Berta ( (1992). Poesia ao rés do chão. In Manoel de Barros. Gramática expositiva do chão: poesia quase toda. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
Classificação
  • Fundo do Real Gabinete de Língua Portuguesa
  • Atas PPRLB
  • Atas do 2º Colóquio : Deslocamentos e Permanências
Multimedia
Registos relacionados