O QUE É REPENSADO EM A MÁQUINA DO MUNDO: O POETA, A TRADIÇÃO OU A POESIA?
O QUE É REPENSADO EM A MÁQUINA DO MUNDO: O POETA, A TRADIÇÃO OU A POESIA?.
DescriptionUnit
Documento
PT/RGPL/FRGLP.PPRLB.07.00019
O QUE É REPENSADO EM A MÁQUINA DO MUNDO: O POETA, A TRADIÇÃO OU A POESIA?
[s.d.]
O presente trabalho tem como objetivo analisar o resgate e a releitura da tradição que ocorrem na obra poética de Haroldo de Campos (1939-2003), mais especificamente no livro A Máquina do Mundo Repensada (2000). Os textos haroldianos engendram um trabalho poético que põe passado e presente em diálogo, via poesia, por meio da citação direta e explícita de grandes obras do cânone universal. Entretanto, tal diálogo não será feito para preservar o que já está estabelecido como passado, na verdade, significará uma desconstrução e transformação, possibilitando uma nova leitura para obras do cânone universal. A partir disso, vemos que Haroldo de Campos em A Máquina do Mundo Repensada, primeiro livro a ser estudado, faz uma releitura crítica e criativa da tradição ao dialogar com os poetas Luís de Camões, Dante Alighieri e Carlos Drummond de Andrade. O ponto de partida da pesquisa é analisar o novo papel e significado que a Máquina do Mundo, considerada um presente aos grandes homens, adquiriu com a releitura de Haroldo de Campos com base na intertextualidade explícita com o Canto X de Os Lusíadas (1572) como forma de mostrar de que maneira é (re) pensada a poesia, a tradição e o poeta. This paper aims to analyze the rescue and re-reading of the tradition that occur in the poetry of Haroldo de Campos (1939-2003), more specifically in the book A máquina do mundo repensada (2000). The haroldianos texts engender a poetic work that brings past and present into dialogue, through poetry, through direct and explicit citation of universal canon of great works. However, such a dialogue will not be done to preserve what is already established as past, actually mean a deconstruction and transformation, enabling a new reading for the universal canon works. From this, we see that Haroldo de Campos in A máquina do mundo repensada, the first book to be studied critically and creative reinterpretation of tradition to engage with Luís Vaz de Camões poets, Dante Alighieri and Carlos Drummond de Andrade. The starting point of the research is to analyze the new role and meaning of the Máquina do Mundo, considered a gift to the great men, acquired with the retelling of Haroldo de Campos based on explicit intertextuality with Canto X of Os Lusíadas (1572) as way to show how it is (re) designed poetry, tradition and the poet.
Haroldo de Campos Máquina do Mundo Os Lusíadas releitura tradição Rereading tradition
Artigos\\Artigos do PPRLB
(pt) Português
(en) Inglês
Atas dos Colóquios do PPLB
1809-2748
Atas do 7º Colóquio do PPLB: Percursos interculturais luso-brasileiros: Modos de pensar e fazer
Geovanna Marcela da Silva Guimarães
Universidade Federal do Pará
BERARDINELLI, Cleonice. Estudos Camonianos. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 2000
CAMÕES, Luís Vaz de. Os Lusíadas. Porto: Porto Editora, 1980.
CAMPOS, Haroldo de. A Máquina do Mundo Repensada. 2º edição. Cotia, São Paulo: Ed. Ateliê, 2004.
CAMPOS, Haroldo de. “Poesia e Modernidade: da morte da arte à constelação. O poema pós-utópico”. In: O Arco-íris branco: Ensaios de Literatura e Cultura. Rio de Janeiro: Imago, 1997, p. 243-269.
CAMPOS, Haroldo de. Operação do Texto. São Paulo: Perspectiva, 1976.
FAUSTINO, Mário. “Poética: diálogos de oficina”. In: Poesia-Experiência. São Paulo: Perspectiva, 1977.
FERREIRA, Jerusa Pires. “Repensando a Máquina do Mundo”. In: Galáxias, Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica. Vol. 1. Número 1, 2001.
MACEDO, Helder. Camões e a Viagem Iniciática. Lisboa: Moraes Editores, 1980.
MELO E CASTRO, E.M. “As transgressões de Camões”. In: O fim visual do século XX e outros textos críticos. Nádia Battella Gotlib (Org.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993, p. 113-121.
PAZ, Octavio. “Tradição da Ruptura”. In: Os filhos do barro: do romantismo à vanguarda. Tradução Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2013.
SOUZA, Eneida Maria de. Estéticas da Ruptura. In: Crítica Cult. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002, p. 91-104.
Classificação
  • Fundo do Real Gabinete de Língua Portuguesa
  • Atas PPRLB
  • Atas do 7º Colóquio
Multimedia
Registos relacionados