FIGURAÇÕES DO TESTEMUNHO POÉTICO: MODOS DE SENTIR E VER O MUNDO EM FERREIRA GULLAR E JORGE DE SENA
FIGURAÇÕES DO TESTEMUNHO POÉTICO: MODOS DE SENTIR E VER O MUNDO EM FERREIRA GULLAR E JORGE DE SENA.
DescriptionUnit
Documento
PT/RGPL/FRGLP.PPRLB.07.00002
FIGURAÇÕES DO TESTEMUNHO POÉTICO: MODOS DE SENTIR E VER O MUNDO EM FERREIRA GULLAR E JORGE DE SENA
[s.d.]
Ferreira Gullar e Jorge de Sena têm, do ponto de vista da experiência do exílio, trajetórias semelhantes. O maranhense fora compelido ao exílio por sua atuação política no Partido Comunista Brasileiro, percorreu espaços de exílio até fixar-se na Argentina, lugar onde tece o Poema sujo (1975). O português fora compelido ao degredo por conta de sua atuação política e de seu envolvimento no fracassado Golpe da Sé. Sena constrói sua poesia a partir da circunstancialidade do exílio, que é força criativa em Peregrinatio ad Loca Infecta (1969). Assim, esta comunicação objetiva a análise da poesia de exílio destes dois poetas, verificando os modos pelos quais ambos apreendem a realidade espacial (paisagens de exílio) e metamorfoseiam-na em poesia. As reflexões ancoram-se nos estudos da paisagem, encontrados em Tuan (2012;2013) e Dardel (2011). Ferreira Gullar and Jorge de Sena experienced similarly the experience of exile. The Brazilian poet was forced to go to exile due to his political performance inside the Brazilian Communist Party, he lived his exile in different places and spaces until he went to Argentina and there wrote the Dirty Poem (1975). The Portuguese poet was also compelled to live in exile due to his political performance and because of his involvement in a failed attempt to put and end to the Salazar dictatorship. Sena builds up his poetry based on his experiences as an exiled man, and that is the creative force that moves Peregrinatio ad Loca Infecta (1969). This paper sets an analysis into Sena’s and Gullar’s poetry written in their respective exiles. We also verify the ways both of them apprehend the space and turn these perceptions into poetry.
Exílio Percepção da paisagem Poesia brasileira Poesia portuguesa Exile Landscape perception Brazilian Poetry Portuguese Poetry
Artigos\\Artigos do PPRLB
(pt) Português
(en) Inglês
Atas dos Colóquios do PPLB
1809-2748
Atas do 7º Colóquio do PPLB: Percursos interculturais luso-brasileiros: Modos de pensar e fazer
Alessandro Barnabé Ferreira Santos
Universidade Federal do Maranhão
DARDEL, Eric. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. Tradução de Werther Holzer. São Paulo: Perspectiva, 2011.
GULLAR, Ferreira. Toda poesia. 19ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.
HOLZER, Werther. A Geografia Humanista: uma revisão. In: Espaço e Cultura (Edição Comemorativa, 1993-2008). Rio de Janeiro: UERJ, p. 137-147, 2008.
LAGE, Maria Otília Pereira. Portugal como (im)possibilidade continuada: cidadania e exílios (1930-1970) – À «conversa» com Jorge de Sena. Porto: Edições Afrontamento, 2010.
LOURENÇO, Jorge Fazenda. A Poesia de Jorge de Sena – testemunho, metamorfose, peregrinação. Lisboa: Guerra e Paz, Editores S.A, 2010
QUEIROZ, Flávia Tebaldi Henriques de. A poesia de exílio de Jorge de Sena. 2006. Dissertação (Mestrado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.
SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. Tradução de Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
SENA, Jorge de. Peregrinatio ad loca infecta. In: Poesia III. Lisboa: Círculo de Poesia – Moraes Editores, 1978.
Classificação
  • Fundo do Real Gabinete de Língua Portuguesa
  • Atas PPRLB
  • Atas do 7º Colóquio
Multimedia
Registos relacionados